Sítio do Picapau Amarelo (2004) – A Menina da Selva: Parte 1

“A vida de Jajale vai sofrer grandes mudanças…”

O INÍCIO DE UMA NOVA FASE DO “SÍTIO DO PICAPAU AMARELO”. Com “A Menina da Selva”, primeira história da quarta temporada do programa, vemos pela primeira vez os pequenos João Vitor Silva e Caroline Molinari darem vida a Pedrinho e Narizinho, respectivamente, e eu acho que eles são tão fofinhos. Também temos uma nova casa no Sítio, E GENTE, COMO EU AMO ESSE NOVO CENÁRIO! Nessas primeiras semanas da nova temporada, no entanto, passaremos bastante tempo na AMAZÔNIA, em uma história que traz Bruna Marquezine interpretando a pequena Jajale, uma menina branca que ficou perdida na selva há muito tempo e que foi criada como uma índia… e tem uma galera que está atrás dela: PPA, o avô; Mike Navalha, um canalha em busca de ouro; e o próprio pessoal do Sítio, que só quer ajudar a pequena.

Ficamos bastante tempo na Amazônia sem o pessoal do Sítio nesse início de história, e é algo que, atualmente, me incomoda. Eu queria explorar os novos personagens, ver mais das interações dos novos Pedrinho e Narizinho com a vovó e com a Emília e o Visconde (amei o Pedrinho provocando a Emília por causa de seus olhinhos de retrós, que iam soltar se ela os arregalasse demais – isso me remete tanto aos livros!), mas talvez tenha sido uma escolha da direção do programa, para “amenizar” a troca, já que, diferente do que aconteceu em 1980, não tivemos uma história como “A Máscara do Futuro” que mostrasse essa transição… de qualquer modo, acompanhamos o Paulo assistindo a um vídeo de sua filha e sua netinha, a Marina, na Amazônia, antes de toda essa confusão, e antes de ele ter perdido a ambas… ele queria tanto poder reencontrá-la!

Em paralelo, exploramos o cenário e os animais da Amazônia, e isso é muito bacana. Estamos em 12 de Abril de 2004, e encontramos a pequena índia branca enfrentando caçadores e defendendo uma onça pintada, por exemplo, e também já conhecemos Mike Navalha, um dos principais vilões da história, que fica encantado com as esmeraldas que a pequena Jajale traz no pescoço… enquanto esperneia, Jajale grita e o chama de “anhanguera”, mas ele não vai largá-la enquanto não souber onde ela conseguiu todo aquele ouro e aquelas esmeraldas – felizmente, Jajale é amiga dos animais da floresta, que a ajudam a escapar, mas ela não vai ficar fora da atenção de todos por muito tempo, porque, nessa confusão toda, um turista consegue fotografar a “índia branca” e isso vira NOTÍCIA. Tanto que Iaú, o protetor de Jajale, resolve pedir ajuda.

Na primeira cena de volta no “Sítio do Picapau Amarelo” (e eu ainda assisto a essas cenas assombrado com o tamanho daquelas crianças – João Vitor tinha apenas 7 anos quando gravou essas cenas para o programa – e com a fofura deles, inclusive na voz fininha de ambos!), enquanto as crianças pegam jaca, Visconde aparece correndo trazendo o jornal com a foto da índia branca que virou notícia: “Vejam! Uma menina branca perdida na selva! No meio da floresta amazônica!” Logo depois, eles escutam enquanto Iaú bate numa árvore para mandar mensagem para a “pequena feiticeira de pano”, e o pessoal do Sítio sente o “terremoto”, antes da chegada do próprio Iaú. Ao aparecer, Iaú explica para o pessoal do Sítio que “Jajale corre grande perigo” e que “é só Emília, a boneca de pano, que pode ajudá-la”. Afinal de contas, a fama da Emília chegou longe…

“Iaú já conseguiu ajuda. A pequena bruxa de pano está vindo”

Iaú deixa com Emília um tajá, a “chave para a floresta”, e Pesadelo trata de roubá-la, só porque ela parece importante… agora, Emília tem que recuperar o tajá para que possa ir para a Amazônia e ajudar Jajale. Cuca fica furiosa com o Pesadelo por roubar algo cuja utilidade ele desconhece, mas tampouco aceita devolvê-lo para o Saci quando ele vem pedir – afinal de contas, se ele veio até ali para buscá-lo, então deve ser importante. O tajá, no entanto, não fica nas mãos da jacaroa por muito tempo, porque ele desaparece da caverna da Cuca e é entregue de volta para a Emília por um pássaro da Amazônia… e então Emília faz uma tentativa que dá certo: “Eu quero que você me leve para a Amazônia agora!” Assim, Emília, Pedrinho, Narizinho, Visconde e Zé Carijó são todos transportados para a floresta amazônica… e eles estão empolgados!

O Visconde mais que todos eles!

Encontrar a Jajale na imensidão da floresta amazônica, no entanto, não é uma tarefa fácil. Iaú até aparece para ajudá-los, mas Jajale também já não está mais onde ele a deixou… enquanto isso, no Sítio do Picapau Amarelo, Dona Benta encontra o bilhete de Narizinho que pede que ela fique tranquila, pois “eles estão na Amazônia, mas estão bem”. Nastácia, no entanto, continua preocupada… além do pessoal do Sítio, Paulo também vai para a floresta em busca de sua netinha assim que vê a matéria no jornal: “Essa menina… é a minha neta que se perdeu na Amazônia quando era um bebezinho!” Ele fica emocionado, e tem certeza que é a sua neta porque ela tem uma marquinha de nascença que só as pessoas da sua família têm. Assim, ele vai para a Amazônia acompanhado de Amorzinho, sua namorada interesseira (e divertidamente tapada), e Godofredo.

Mas Amorzinho está incomodada com essa coisa de “a netinha ser sua única herdeira”.

Nasce outra vilã para a história… mas uma vilã cômica.

Inclusive, a Jajale já detestou a tal da “Amorzinho”. Ela causa uma confusão no hotel por causa das coisas que Amorzinho carrega, tipo um cachecol feito de algum bicho morto… eu confesso que fiquei muito triste com a cena em que Jajale se dá conta que o “gambá” não vai mais acordar… enquanto Jajale se esconde na floresta, e Amorzinho reclama que “foi roubada”, Paulo conhece o pessoal do Sítio, e temos uma cena bem legal, na qual ouvimos João Vitor se apresentar como Pedrinho pela primeira vez: “Pedro Encerrabodes de Oliveira, e essa é minha prima, Lúcia”. Também vemos Caroline Molinari dizer pela primeira vez: “Mas todo mundo me chama de Narizinho”. Paulo também fica admirado com Emília, a boneca de pano, achando que ela é um brinquedo que veio de Taiwan ou qualquer coisa assim, e Emília faz questão de explicar quem é.

Afinal, ela até é Marquesa!

Jajale não tarda a voltar para o hotel em busca da “branquela malvada”, e ela fica cada vez mais horrorizada com as coisas que ela fez, quando vê o seu maiô, ou a sua bolsa, ou ainda o creme de tartaruga que ela passa: “Branquela matou onça! […] Branquela matou jacaré pra fazer bolsa! Branquela espírito mal! Veio pra acabar com todos os bichos da mata!” Jajale se “vinga” de Amorzinho jogando um peixe elétrico dentro da piscina quando ela está lá, mas Jajale ainda terá que enfrentar Amorzinho novamente… e, talvez pior do que ela, o Mike Navalha. O pior é que quando Paulo pede que Godofredo encontre um matreiro para ajudá-los na mata em busca de sua netinha, Godofredo traz justamente quem? Mike Navalha, que está interessadíssimo em encontrar o Eldorado, e acha que Jajale pode levá-lo até toda aquela riqueza.

Mais pessoas lentamente se juntam à busca por Jajale, como a Iara (agora interpretada por Lilian Cordeiro), que aparece para ajudar a Emília quando a boneca está sendo levada por um índio, e sabemos que agora é apenas uma questão de tempo até que a pequena indiazinha branca seja encontrada… na verdade, isso acontece já no fim da primeira semana de “A Menina da Selva”, quando Amorzinho e Mike Navalha trabalham juntos para atrair e capturar Jajale. Amorzinho coloca um chapéu e grita aos quatro ventos sobre como “ele foi feito com penas de arara”, e então Jajale acha que, agora, a “branquela” passou de todos os limites, e resolve atacá-la… ao fazê-lo, ela cai direitinho na armadilha, e acaba presa por Amorzinho e Mike Navalha. Antes que eles possam fazer qualquer outra coisa, no entanto, Paulo aparece, reconhecendo a garota:

“É minha neta, a Marina!”

 

Para mais postagens sobre o Sítio do Picapau Amarelo, clique aqui.

Ou visite nossa página: Cantinho de Luz

 

Comentários