Navillera – Final Episode

“Você voou?”

FACILMENTE, UMA DAS MELHORES SÉRIES QUE EU JÁ ASSISTI NA VIDA: LINDA, EMOCIONANTE, REVIGORANTE… assistir aos 12 episódios de “Navillera” foi uma das melhores escolhas que eu fiz: o tanto que eu me emocionei com cada história, o tanto que eu chorei com cada episódio (e um choro que lavava a alma a cada episódio), os sorrisos sinceros que dei, o tanto que amei esses personagens, cada um deles. “Navillera” contava a história de um rapaz com um talento imenso para o ballet, destinado a ser uma grande estrela, um senhor com Alzheimer que queria realizar o sonho de aprender ballet e se apresentar no palco ao menos uma vez, a relação que eles forjam quando se tornam professor e aluno e a maneira como a relação deles muda completamente não apenas a vida de ambos, mas também a vida de todo mundo ao redor deles…

Lindíssimo.

No final do penúltimo episódio, vimos chegar o dia da grande apresentação do Sim Deok-Chul, mas nos perguntamos se ele conseguiria se apresentar em um palco – afinal de contas, é o dia da sua pior crise até então. Quando Hae Nam o desperta, ele não se lembra quem ela é, e tanta coisa parece ter se apagado da memória do Sr. Sim que Hae Nam e Seong-Gwan sabem que ele não vai poder se apresentar naquele dia… mesmo assim, Hae Nam faz de tudo para que ele se lembre, e temos dois momentos muito emocionantes já no início desse episódio final: minhas primeiras lágrimas foram derrubadas quando Chae-Rok vai visitar a mãe no cemitério e falar sobre a apresentação, sobre como o pai vai estar presente, e pergunta “se ela vai estar assistindo lá de cima”, e depois quando Deok-Chul chega ao estúdio, toca a barra com a qual praticou tanto e começa a se lembrar…

O poder que o ballet e que Chae-Rok têm sobre o Sr. Sim é EMOCIONANTE. A maneira como flashes das aulas retornam para ele, como ele fala o nome de Chae-Rok (é sempre lindo quando Deok-Chul parece se perder, mas a imagem e o nome de Chae-Rok retornam vívidos para ele), e então Seong-Gwan mostra para o pai vídeos de seus ensaios, e ele diz que se lembra… o Sr. Sim vai se lembrando de tudo: das aulas, de Chae-Rok, de sua família, mas ele ainda não se lembra dos passos da coreografia, o que quer dizer que ele não sabe se poderá se apresentar naquele dia. Por isso, ele decide ir até o teatro no qual acontecerá a apresentação e contar pessoalmente ao Sr. Ki e pedir desculpas por “ter gerado problema”. É uma cena tristíssima (a carinha do Sr. Sim, nós temos uma vontade imensa de protegê-lo de todo mal!), e Chae-Rok assiste.

Eu sabia que o Chae-Rok não deixaria o Sr. Sim desistir se acreditasse que havia alguma chance de ele conseguir se apresentar e, mesmo assim, é emocionante vê-lo enfrentar o Sr. Ki para poder dizer isso. Para o Sr. Sim, ele fala sobre como fez uma promessa: enquanto Deok-Chul se lembrasse dele e quisesse dançar ballet, ele sempre estaria ali para ensiná-lo… e é isso o que ele vai fazer. A cena é emocionante, porque Chae-Rok entra no meio da conversa do Sr. Ki e do Sr. Sim e pergunta ao Sr. Sim se ele confia nele, e então pede que ele confie e que eles façam isso juntos. Isso é importante demais para Deok-Chul, e Chae-Rok não vai deixar que ele desista de seu sonho: ele vai se apresentar no palco, ao menos uma vez. E também é adorável a maneira como Hae Nam lhe agradece, emocionada. Hae Nam se tornou uma das melhores personagens dessa série.

Assim, ficamos apreensivos, mas confiantes, enquanto acompanhamos toda a preparação para a apresentação de “O Lago dos Cisnes” (e devo dizer que, no meio de toda a emoção, eu encontrei tranquilamente tempo para babar pelo Chae-Rok uma última vez… ele estava absolutamente LINDO naquela roupa da apresentação, que homem! QUE HOMEM!!!). Gosto muito de como “Navillera” se preocupa com detalhes, como o Chae-Rok todo fofinho preparando um presente para o Deok-Chul: sapatilhas novas “com palavras mágicas”, dizendo que ele era o homem que vai voar… e ele o faz. O Sr. Sim está extremamente nervoso antes de finalmente entrar no palco, e o Chae-Rok é a coisa mais fofa do mundo se certificando de que ele está bem e de que ele consegue, fazendo perguntas como qual é seu nome, o que ele mais gosta de fazer, e qual seu ballet favorito

GENTE, O CHAE-ROK É A COISA MAIS LINDA DESSE MUNDO.

Então, os dois sobem ao palco, e por um momento extremamente tenso ficamos nervosos com ele, porque ele parece congelar enquanto olha para as luzes, como aconteceu em uma das vezes que ele se perdeu olhando para a luz do poste, mas então vemos uma série de coisas passando pela cabeça do Sr. Sim: todos os momentos lindíssimos que ele e Chae-Rok compartilharam durante esses meses todos no qual treinaram ballet juntos, e ficamos tão gratos por podermos ter feito parte disso tudo, poder ter vivido tudo isso ao lado deles… foi uma jornada e tanto, repleta de lágrimas, sorrisos e felicidade. Então, Deok-Chul se lembra dele mesmo falando ao Chae-Rok, lá no início da série, que “quer aprender ballet”, e isso fica ecoando em sua mente para que ele retorne a si e à coreografia, e então ele dança com Chae-Rok e, juntos, os dois voam!

No dia seguinte, quando a família está toda reunida em uma celebração ao sucesso do Sr. Sim, ele resolve contar para eles que está indo embora: que ele já visitou um asilo e decidiu que vai se mudar para lá, porque o que aconteceu no dia anterior vai voltar a acontecer, e ele não quer que eles o vejam assim… e também não quer ir para o asilo quando não for mais capaz de conhecer o lugar e fazer novos amigos. É uma cena tristíssima, a família fica arrasada, e temos uma cena emocionante da filha de Deok-Chul pedindo que ele não vá embora, porque entendeu que ela sempre quis retribuir tudo o que o pai fizera por ela com seus próprios filhos, mas ela nunca teve filhos e não pode tê-los, e agora acredita que o que ela tem que fazer é retribuir tudo ao próprio Sr. Sim. Aquilo o toca profundamente, e ele adia a decisão de ir para o asilo, pelo menos por enquanto…

Até porque ele tem outra coisa a fazer: ele precisa cuidar de Chae-Rok.

Faltam duas semanas para o grande concurso de Chae-Rok e agora ele precisa focar em seus ensaios – e Deok-Chul ainda é seu empresário, não? Foi LINDO DEMAIS ver o Sr. Sim ligar para acordar o Chae-Rok e ver a alegria do Chae-Rok pulando da cama ao ouvir a voz do Sr. Sim, bem como aquela energia gostosa de quando Chae-Rok chega ao estúdio e o Sr. Sim diz que “ele está atrasado” e que precisa chegar uma hora mais cedo a partir do dia seguinte. Enquanto Chae-Rok ensaia, temos uma cena lindinha no terraço do estúdio onde o Sr. Ki pede So Ri novamente em casamento, e é um pedido meio estranho, mas que combina perfeitamente com eles e com a relação que acompanhamos durante a série, e quer saber? EU FIQUEI TODO BOBO! O tanto que eu aprendi a amar a relação deles e o tanto que eu sou apaixonado pelo Sr. Ki… fiquei muito feliz!

Uma das cenas MAIS EMOCIONANTES não apenas desse episódio, mas de toda “Navillera” vem quando Chae-Rok está se preparando para viajar para o concurso e todo mundo que é importante para ele está no aeroporto para se despedir… o tom de despedida, que também acompanha o fim da série, já nos deixa emotivos, mas Chae-Rok e o Sr. Sim ainda deixam o momento ainda mais emocionante compartilhando um dos momentos mais lindos da série, além de ser algo que eu esperava há muito tempo… depois da despedida, Chae-Rok olha para trás uma última vez do topo da escada rolante e segue adiante, mas o Sr. Sim aparece logo em seguida, todo fofo correndo atrás dele, e então segura suas duas mãos, olha para ele e diz que “não pode se esquecer do seu rosto”, e então OS DOIS SE ABRAÇAM. Esperei tanto por esse abraço de Chae-Rok e Deok-Chul, e valeu muito a pena.

Chorei exatamente como o Chae-Rok. QUE CENA LINDA!!!

Então, três anos se passam e temos quase um epílogo, e eu adorei como o epílogo foi construído… o grande mote dessa cena é o famigerado retorno de Chae-Rok, e descobrimos que ele se tornou “uma estrela coreana do ballet”, se tornando o bailarino principal da companhia em apenas um ano, e agora retorna para uma apresentação na cidade de onde veio, e todo mundo está esperando por ele! Vemos o Seong-san, muito realizado trabalhando em um clube de beisebol, mandar mensagem no grupo da família lembrando todo mundo do retorno de Chae-Rok (!), por exemplo, e temos uma rápida visão do que aconteceu com os personagens… adorei ver o Sr. Ki e So Ri felizes tendo aberto uma companhia de ballet juntos, por exemplo, e feliz por Ho Beom e Se Jong finalmente jogando em um time de futebol – talvez seja o tanto de BL que eu assisto, mas senti uma leve sugestão de que pode existir algo entre eles naquela cena do chuveiro?

Talvez fosse o cenário, as brincadeiras e o meu grande desejo de que houvesse…

Mas eu acredito que pode ser romance, sim!

Deok-Chul, por sua vez, continua em casa… ele acabou atendendo ao pedido da família, mesmo com todo o seu medo: eles o querem por perto e se dispõem a cuidar dele, e a verdade é que eles já aprenderam como fazê-lo… de vez em quando ele sai “entregando cartas” na vizinhança, por exemplo, achando que ainda é carteiro, como era há muitos anos, e Hae Nam precisa sair correndo atrás dele para levá-lo de volta para casa, convencendo-o oferecendo sorvete de baunilha, por exemplo, mas ela aprendeu a lidar com isso. E eu acho que, no fim, isso é importantíssimo para a Hae Nam, porque ela se sente útil… ela começou a série ligando sem parar para os filhos, tentando se manter ocupada, fazendo um milhão de coisas, e agora ela não está sozinha, o marido continua morando com ela, e ela sente que tem uma obrigação, o que ela sempre quis.

Outro momento esperado demais é, então, a chegada de Chae-Rok e seu reencontro com Deok-Chul, e essa é a cena final de “Navillera” – e não podia ser diferente: É BRILHANTE E EMOCIONANTE. Não temos certeza do quanto Deok-Chul entende quando Hae Nam fica lhe falando sobre o retorno de Chae-Rok, mas então o vemos sair para a rua, meio perdido, e depois que o trem passa, Chae-Rok está ali do outro lado da linha, dizendo para ele que “voltou”. A cena toma seus segundos para aumentar o suspense e a emoção, mas então vemos Chae-Rok estender o braço em um movimento de ballet, algo que sempre teve uma impressão muito grande em Deok-Chul, e eu esperei que Deok-Chul fosse dizer o nome dele, mas acontece algo ainda mais emocionante – ele pergunta: “Você voou?” Então, Deok-Chul o cumprimenta devolvendo um passo de ballet e fazendo uma reverência.

O final mais lindo possível, me desestruturou todo novamente… na verdade, nesse momento, enquanto escrevo essas palavras, estou chorando novamente me lembrando da beleza dessa cena e dessa série. “Navillera” é uma das séries mais lindas que eu já assisti na vida, e vai ficar para sempre guardada no meu coração e vou me lembrar dela com um carinho imenso (e sair panfletando, porque acho que todo mundo precisava assisti-la). Belíssimo. Ou, como dizemos depois de uma apresentação perfeita: BRAVO. É engraçado pensar que eu tinha expectativas altíssimas para essa série antes de começar a assisti-la, apenas graças ao curtíssimo trailer que eu tinha visto na Netflix, e a série superou todas as minhas expectativas e se tornou um verdadeiro marco em meu coração. Assistam, “Navillera” certamente vai te emocionar e te marcar profundamente!

 

Para mais postagens de Navillera, clique aqui.

 

Comentários