1000 Stars – Episode 5

Tian e Phupha estão PEGANDO FOGO!

Como não se apaixonar por Phupha e Tian quando eles passam o episódio todo flertando e se provocando? O quinto episódio de “1000 Stars” é bastante rico em história, trazendo uma longa sequência de Tian na cidade, com o seu melhor amigo, por exemplo, enquanto o Phupha fica impaciente na aldeia – não é claro se o que ele está sentindo é ciúme, preocupação ou saudade, mas eu chutaria dizendo que é um pouco de cada. Quando Tian volta para Pha Pun Dao, então, temos uma série de momentos PERFEITOS entre Phupha e Tian, que estão investindo cada vez mais no flerte mútuo, e estão ficando muito bons nisso… quer dizer, parte de mim queria que eles tomassem uma iniciativa mais concreta e se beijassem de uma vez, mas outra parte de mim está adorando vê-los se provocar enquanto trocam uma série de sorrisos e olhares cheios de significado…

Estou adorando cada minuto de “1000 Stars”.

Depois de conhecer o Monte Pha Pun Dao no episódio passado e de conseguir escapar de uma pergunta de Phupha sobre “como ele conhecia Torfun”, Tian pede uma carona ao Dr. Nam até a cidade, porque tem algumas coisas a fazer lá – e é uma sequência bem bacana que conta com uma participação especial do Aof e uma conversa maravilhosa de Tian com o Dr. Nam… que tinha ganhado o posto de melhor apoiador do casal Phupha + Tian no episódio passado, mas que ganha concorrência nesse, com a aparição de Tul – agora os dois viraram meus queridinhos. Nam é maravilhoso e aproveita uma oportunidade qualquer para comentar que “Phupha é um bom partido”, por exemplo, e provoca o Tian dizendo que “mesmo que o Phupha não esteja ali, ele não para de falar sobre ele”… e eu adoro ver que o Tian já tomou consciência dos seus sentimentos.

A cena com Tul deixa isso muito mais claro e é uma das melhores cenas do episódio – Tul é o melhor amigo de Tian, que vem à cidade para visitá-lo, ainda sem entender por que ele está fazendo isso tudo, achando que “isso não tem nada a ver com ele”, mas aos poucos ele vai entendendo que Tian está realmente feliz na aldeia, e que essa felicidade talvez não tenha apenas a ver com a natureza e com o seu trabalho como professor, mas com uma pessoa em específico… Tian abre o coração para o amigo e pergunta o que ele acharia se “contasse que gosta de homens”, e Tul é um máximo na resposta não apenas a essa pergunta, mas também ao dizer para Tian que “os sentimentos vêm do cérebro, e não do coração”, quando Tian expressa algum tipo de dúvida em relação ao que está sentindo por Phupha e se isso é dele mesmo ou de Torfun…

Sim, é seu, Tian. Totalmente seu.

Enquanto isso, Phupha está inquieto, e eu ADOREI vê-lo assim! Ele passa o dia perguntando sobre Tian, ele até fica esperando na frente da sua casa para falar com ele, e faz uma cara quase indecifrável quando o Dr. Nam diz que Tian não voltou com ele porque “um amigo dele veio visitá-lo e ele vai passar a noite na cidade”. Durante aquela noite, o Dr. Nam e os outros guardas aproveitam para provocar o Phupha sobre o que ele claramente sente por Tian, e eu acho um máximo que o Phupha não fique tentando negar esses sentimentos… sim, ele está apaixonado e é visível, o que ele pode fazer? Nam fala sobre como sabe disso desde que Tian chegou, porque Phupha nunca cuidou de ninguém como está cuidando de Tian… mas ele diz que eles são iguaizinhos e que ficam resistindo a isso. Talvez não mais por muito tempo, meu caro Dr. Nam, não muito tempo…

Mas as cenas de Tian na cidade também trazem preocupação. Enquanto ele está almoçando com o Dr. Nam, ainda antes da chegada de Tul, ele vê o cara com quem brigou por causa da venda do chá sentado em uma mesa com um homem mais velho que meio que “comanda” a região e que assusta todo mundo. Antes de Tian e Nam irem embora do restaurante, o homem, Sakda, vem falar com eles e ele tem uma série de ameaças não muito bem veladas a Tian, como quando diz “Eu espero que você aprenda a viver como os aldeões de lá”, ou quando fala sobre como Tian é a nova cara da juventude altruísta e comenta: “Um jovem como você é uma joia rara. Você não deveria partir tão cedo”. Infelizmente, sabemos que Tian ainda vai sofrer por causa deles, e ele acaba apanhando naquela noite mesmo, e só se salva porque o Tul aparece para ajudá-lo a fugir…

Na aldeia, no entanto, ele diz que “está bem protegido”.

No dia seguinte, Tul vai embora de volta para a cidade grande, não sem antes aconselhar Tian a contar a verdade sobre o coração a Phupha, e então Phupha aparece para buscar Tian – E AQUI COMEÇAM AS CENAS MAIS FOFAS DO EPISÓDIO! Phupha faz de tudo para seguir os conselhos do Dr. Nam (!), e então começa a tentar ser menos marrento e mais gentil com Tian, fazer agrados como “levá-lo para dar uma volta”, e a maneira como eles passam o tempo todo flertando é a coisa mais linda desse mundo. A maneira como eles dividem uma banana, por exemplo, ou como Tian comenta sobre a escassez de expressões de Phupha, pedindo que ele “aprenda a sorrir”, e Phupha sabe sorrir e o faz quando tira uma foto de Tian e fica todo bobo olhando para o celular, por exemplo… destaque para o Tian dizendo que “esse era o sorriso que ele queria”.

Mal sabe ele que o sorriso é por sua causa.

A despedida dos dois, quando retornam para a aldeia, é DELICIOSA de se acompanhar. É aquele tipo de despedida no qual nenhum dos dois quer ir embora, e ficam os dois ensaiando dizer algo que acabam não tendo coragem de colocar para fora, a tensão aumentando a cada minuto, mas de uma maneira boa… Phupha tenta seguir os conselhos de Nam, e não consegue, e Tian segue os conselhos de Tul e toma iniciativa, perguntando: “Você quer fazer uma coisa comigo?” Gente, eu ADORO como o diálogo é sugestivo, e como é propositalmente sugestivo, com direito ao Phupha dando um sorriso safado e provocando, depois: “Fazer com você?” Tian diz que está apenas o convidando para ajudá-lo na aula do dia seguinte, mas eu amo que os dois estão abertamente fazendo piadas sexuais um com o outro e estejam sorrindo com isso… o flerte escancarado.

Os dois de costas, sorrindo pro nada, antes de se separarem…

Meu coração ficou todo alegrinho a cena toda!

No dia seguinte, então, Tian dá uma aula ensinando as crianças a fazerem pipas, e Phupha está ali para acompanhar a aula e o Tian, e para olhar completamente apaixonado para ele enquanto ele explica porque os aviões, mesmo pesados, conseguem voar, e por que a pipa não pode ficar pesada com a cola, ou então não voa, e o Phupha está cada vez menos tentando esconder esse seu lado apaixonado… ele está encarando, está olhando nos olhos de Tian, está sorrindo para ele. Ele está completamente apaixonado e está estampando isso em seu rosto – e, quando Phupha faz sua própria pipa sem as orientações de Tian, temos outro pequeno diálogo assanhado que eu ADOREI: “Você nunca me contou que fazia artes manuais”, diz Tian; “Preciso te contar o que faço com a mão?”, rebate Phupha. Sério, e o olhar provocante do Phupha ao dizer isso.

Esses dois

Acho incrível como a série consegue mesclar esse tom mais deliciosamente provocante com o romantismo que marcou a série há algum tempo, com o Tian encantado pela pipa de Phupha, por exemplo, pedindo que ele faça uma para ele, e então, quando Ayi vem pedir a pipa de Phupha para ele, Phupha responde que “ela já tem dono”, e então escreve na borda da pipa que “ela é para o Sr. Tian”. A cena de Tian, Phupha, os guardas e as crianças empinando pipa é uma cena lindíssima e emocionante, com direito ao Phupha sorrindo como o Tian pedira que ele sorrisse, um sorriso verdadeiro e rendido, e a cena teria sido perfeitamente feliz se não fosse pelo Tian passando mal no final… acho que ele está se esforçando muito, e ele ainda apanhou na cidade recentemente. O desespero que toma conta de todos quando ele desmaia, a maneira como o Phupha o segura e chama por ele e pede ajuda.

A preocupação estampada em cada parte do seu ser.

Ele o ama demais… não pode perdê-lo.

Que final impactante, que momentos LINDOS para eles.

 

Para mais postagens de “1000 Stars”, clique aqui.

 

P.S.: Adoro o fato de “1000 Stars” ter cenas pós-créditos em todos os episódios, E O TANTO QUE EU AMEI A CENA PÓS-CRÉDITOS DESSE EPISÓDIO mal dá para descrever… é uma propaganda de café, mas Phupha e Tian a transformam em algo tão grandioso que eu fiquei até sem ar – sinto que, na época, o Twitter deve ter passado a semana inteira comentando a cena! Tian prepara um café para Phupha e, quando prova, ele diz que “ficou forte”, então temos o diálogo que se segue: “É bem forte. Você gosta assim?”, pergunta Phupha; “Sim. Forte é muito melhor”. Como se isso já não fosse sugestivo o bastante, Phupha provoca: “Eu posso fazer bem forte”. AMEI! “Eu estou falando de café” “Eu também. No que você pensou?” O tanto que eu ri e, provavelmente, corei nessa cena… adorando esses momentos mais picantes entre Phupha e Tian, que continue assim!


Comentários