Cúmplices de um Resgate – Audições para os Cúmplices

A banda infinita.

Aqui é quando percebemos que a novela foi estendida… gosto muito de “Cúmplices de um Resgate”, tenho um carinho imenso por Daniela Luján, que foi a protagonista de outras novelas infantis de sucesso como “Luz Clarita” e “O Diário de Daniela” (e fico muito triste com o fato de que ela sempre quis interpretar gêmeas, mas acabou vendo o seu papel dos sonhos sendo oferecido a Belinda em seu lugar), mas a reta final da novela deixa bastante a desejar em questão de roteiro. Sem muito planejamento, a novela segue mais ou menos o que era o plano original da trama, mesmo depois da entrada de Daniela Luján, o que deixa os capítulos até o 104 com uma carinha de “reta final” de novela, com direito até ao Manteiguinha fazendo algum comentário sobre como “aquela cena parece final de novela” quando Rosa conhece Mariana e Silvana, por exemplo.

Dali em diante, a novela muda seus rumos… não seria um grande problema, e eu entendo a vontade do canal de querer estender uma novela que estava dando lucro e audiência, mas a história central já estava encerrada e vários atores deixam a novela, com seus personagens sendo retirados abruptamente com desculpas por vezes esfarrapadas que, quando assistimos agora, parecem sofríveis – até porque são muitas. Dóris, por exemplo, é vítima de um acidente durante a festa de casamento de Rosa e Alberto que não é realmente tratado pelo roteiro além de uma narração no início do capítulo seguinte que diz que “ela foi embora fazer um tratamento” e que “eles precisam seguir em frente”, e então temos um salto de uma semana e é como se isso nunca tivesse acontecido… núcleo do vilarejo excluído, agora nos concentramos na banda.

Ou melhor… nas bandas.

Há um certo retrocesso na Silvana como personagem, infelizmente, que é colocado para que ainda existam conflitos com a personagem e sua relação com Mariana, e para que ela seja motivada pelo desejo de ser solista, o que não é exageradamente distante do que esperamos de Silvana, mas me incomoda que ela trate Marina e Ofelio com uma grosseria exagerada depois de tudo, porque se esperava que ela tivesse melhorado um pouco depois de toda a experiência de passar um tempo no vilarejo no lugar de Mariana, descobrindo que a mãe nunca a abandonara e tudo o mais. Mas não… ela continua agindo motivada por seu egoísmo incurável, discutindo com Mariana quando a irmã se voluntaria para buscar Joaquim e os demais para a gravadora, já que eles não têm mais a carona de Vicente, e Silvana queria usar o carro para ir fazer compras…

O mais inusitado e sem sentido, para mim, tem a ver com a banda propriamente dita. A banda está IMENSA. Com a exclusão do núcleo do vilarejo, a banda original de Mariana também se extinguiu, e ela se uniu aos Cúmplices de um Resgate, agora como Mariana mesmo. Ramón, que permanece na novela, também se junta à banda, e nos perguntamos por que temos dois tecladistas agora. Além disso, a gravadora subitamente decide que “Matheus e Dóris precisam ser substituídos para as próximas apresentações”, sendo que Matheus e Dóris NÃO ERAM DOS CÚMPLICES ORIGINALMENTE, e eles “se tornaram parte da banda” durante apenas uma única apresentação, que acontece no casamento de Rosa e Alberto… não há sentido nenhum que “eles precisem ser substituídos”, se até então a banda funcionou bem sem eles – e sem Ramón e Mariana.

Mas isso abre audições para os Cúmplices de um Resgate – e é assim que conhecemos Nadine (Naydelin no original em espanhol, mas Nadine na versão dublada), uma garota que sempre foi fã dos Cúmplices e que sonha em ser famosa, e que parece, em muitos sentidos, uma personagem reciclada da própria Priscila e, portanto, desnecessária. Não me lembro exatamente da minha opinião a respeito disso na infância, mas, infelizmente, assistindo agora eu percebo o quanto é sofrível o desespero do roteiro para gerar trama, porque essa coisa toda de buscar substitutos para Matheus e Dóris realmente NÃO FAZ O MENOR SENTIDO. Enquanto isso, Regina retorna como Tânia, abre uma nova gravadora e se prepara para lançar outro grupo musical, com o intuito de competir com os Cúmplices de um Resgate e, de agora em diante, a novela se resume a isso.

E ao romance de Silvana e Martín… a história com Ramón foi “finalizada” com ele “descobrindo” que “se confundiu” e “só gosta de Silvana como uma amiga”. Tá bom.

 

Para mais postagens de “Cúmplices de um Resgate”, clique aqui.

Também visite nossa página: Cantinho de Luz

 

Comentários

  1. É estranho dizer... mas eu meio que gosto bem mais dos seus posts criticando/reclamando de alguma coisa, eles me divertem mais. Não sei, só é engraçado para mim sua irritação e suas palavras, sabe?

    E essa fase da novela tem MUITA coisa para reclamar, então vou aproveitar bem seus posts.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fiquei pensando aqui... obrigado? HAHAHAHAHA Que bom que você gosta, vem aí minhas reclamações!!! 😅

      Excluir

Postar um comentário